Home   |   Os Guias   |   Fuja no Fim de Semana   |   Fique em São Paulo   |   Fujinha   |    Fuja por 1 Ano   |    Fique Gourmet   |   Fique Zen  




Calcule todos os gastos da sua viagem

Hospedagem e spas
Restaurantes e comidinhas
Agências e Monitores
Principais destinos - Como chegar
Como viajar
Informações de trânsito
Previsão do tempo
Como comprar o Guia Fuja no Fim de Semana

Calendário










Guia Fique Zen em São Paulo – "Aperitivo"
Menu de terapias integrais

Usando o poder energético dos aromas, cores, flores, pedras, entre outros elementos, variadas terapias contribuem com a busca da saúde integral, aumentando a consciência e o equilíbrio entre corpo, mente e espírito.

Ampliar a consciência do que cada um é. Compreender qual o momento está sendo vivido. Perceber tensões, bloqueios, dores e angústias. Encontrar caminhos para se equilibrar e fortalecer. Com essa proposta, diferentes terapias ganham espaço na vida das grandes cidades. Chamadas por um bom tempo de "alternativas", hoje, afirmam-se como estratégias "complementares" aos tratamentos médicos, tanto na prevenção quanto no tratamento de mal-estares e doenças. Em especial, são boas aliadas da medicina não convencional, a medicina doce (representa principalmente pela medicina tradicional chinesa –que inclui a acupuntura–, homeopatia, antroposofia, medicina ayurvédica, fitoterapia, auriculoterapia, naturopatia ).
Praticadas por diferentes profissionais, não necessariamente médicos, as terapias complementares têm em comum a abordagem integral do ser humano: corpo, mente, coração e espírito. Cada um de nós é entendido como um campo de energia, sendo possível recorrer a diferentes recursos –aromas, cores, pedras, flores, movimentos, sons, toques– para ajudá-la a fluir de forma harmoniosa.
Com o apoio de um profissional, a própria pessoa é peça-chave neste processo. Passamos a nos conhecer melhor, entender mais nossa trajetória, escolhas e momento presente. Podemos então mudar estruturas mentais, emocionais ou físicas, que precisam ser desbloqueadas, renovadas, fortalecidas. Aos poucos, vamos aumentando a percepção de nós mesmos, reconhecendo o que nos faz bem ou mal.
Apesar de poder trazer um bem-estar imediato, as terapias geralmente se desenvolvem no decorrer de várias sessões. Em toda cidade, diferentes espaços terapêuticos oferecem tanto aplicações avulsas como tratamentos regulares. É também possível aprender algumas dessas técnicas para auto-aplicação.
Alguns desses espaços são especializados em uma técnica. O desbloqueio da expressão lingüística a partir do movimento corporal, por exemplo, é o foco do Instituto Sentir, no bairro da Pompéia. Ele trabalha com a chamada lingüistoterapia, por meio de vivências individuais ou em grupo, além de palestras e workshops. Atendimentos e cursos de cromoterapia para aplicação no dia-a-dia, por sua vez, são realizados pelo ITCOR - Instituto Terapêutico de Cromoterapia, na Móoca.
Atendimentos de cura prânica, bem como cursos para auto-cura ou cura à distância, são oferecidos por instrutores em diferentes espaços da cidade. Geralmente, são organizados por módulos, de iniciante a avançado - mais informações no Espaço da Anita - Instituto Brasileiro de Terapia Prânica. Mas, se o interesse é o feng shui, um dos endereços especializados é o Instituto Brasileiro de Feng Shui.
Algumas áreas têm inclusive instituições oficiais dedicadas a difundir a técnica e formar terapeutas. Costumam ser bons pontos de partida para localizar profissionais de qualidade. Informações sobre espaços de dançaterapia, por exemplo, podem ser obtidas no Centro Brasileiro de Dançaterapia. O mesmo ocorre com musicoterapia, que tem a Apemesp - Associação de Profissionais e Estudantes de Musicoterapia do Estado de São Paulo. Palestras e cursos sobre florais de Bach, bem como terapeutas para consultas podem ser indicados pela Abreflor -Associação Brasileira de Essências Florais. Para conhecer a área da bioenergética, a dica é o Instituto de Análise Bioenergética de São Paulo.
Além dos centros especializados, há também espaços de terapias integradas, que recorrem a combinação de várias técnicas para uma abordagem global. O Centro de Terapias Holísticas Femmes, no Jardim Marajoara, por exemplo, oferece atendimento de florais de Bach, aromaterapia, reiki, auricoloterapia, além de banhos e massagens. No Brooklin, o NITHE – Núcleo Integrativo de Therapias Energéticas trabalha com terapia integrativa, que engloba diálogo, massagens, regressão de memória, uso de florais de bach, usando para diagnóstico o mapa cosmológico. Do lado da estação Vila Madalena do metrô, o Cândida Rosa - Espaço de Terapias e Estudos reúne terapeutas de reiki, florais de bach, aromaterapia, cromoterapia, geoterapia, além de tarô, numerologia, psicoterapia e ioga.
Com preços mais acessíveis, há sessões realizadas por terapeutas em formação no Instituto de Naturopatia Ponto de Luz, perto da estação de metrô São Joaquim, e no Integrativa Centro de Terapias Naturais, no bairro da Água Fria.
A Akwavita Espaço de Saúde Integral é uma soma de loja, livraria, clínica e escola, com cursos de reiki, feng shui, radiestesia, entre outros. Situa-se em dois endereços na cidade: na Casa Verde e Vila Mariana. O Espaço Astrolábio Centro Terapêutico, situado em Perdizes, também tem uma pequena loja de livros e produtos energéticos, além de cursos e atendimentos individuais de reiki, cristais, aromas, geometria sagrada e radiestesia, entre outros.
Além das terapias aqui reunidas, banhos e saunas, bem como massagens também podem ser reconhecidos como recursos terapêuticos.

CONHEÇA UM POUCO MAIS SOBRE ALGUMAS TERAPIAS:

A partir das plantas
Aromaterapia - De flores, frutas, folhas, cascas, sementes ou raízes, são extraídos os chamados óleos essenciais, que conservam todas as qualidades, aromáticas e energéticas das plantas. O termo "essencial" vem dos alquimistas do século XVI que consideravam o óleo como a alma da planta. Seu aroma ativa o sistema olfativo, enviando uma mensagem para o cérebro, reequilibrando as emoções e a saúde do corpo inteiro. A lavanda ou laranja, por exemplo, são substâncias relaxantes. Já a camomila ou eucalipto são sedantes, enquanto o alecrim e o cravo são estimulantes. A aromaterapia é geralmente associada a outras práticas, sendo os óleos usados em massagens, banhos, compressas e vaporização de ambientes.

Florais de Bach - O médico inglês Edward Bach, no início do século 20, dedicou-se a estudar os aspectos positivos e negativos presentes nas plantas. Em cinco anos, descobriu 38 essências florais, ligadas aos sete estados emocionais, que impedem sermos verdadeiros para nós mesmos: medo, indecisão, falta de interesse no presente, solidão, excesso de sensibilidade a influencias e opiniões, desalento ou desespero, preocupação excessiva com o bem estar dos outros. Criou, assim, os florais para devolver ao ser humano o equilíbrio entre esses aspectos, que convivem harmoniosamente nas plantas. Os florais são produzidos num processo bastante delicado. As flores usadas devem nascer espontaneamente porque a energia é mais intensa do que se forem plantadas pelo homem. São então colocadas em um recipiente de vidro claro, cheio de água (proveniente de um riacho próximo). Depois de algumas horas, a água fica impregnada com a energia da flor e é então tomada em gotas.

Com as mãos
Cura prânica - Em sânscrito, prana significa força de vida - uma energia cósmica que mantém o corpo vivo, fortalecendo-o e permitindo-o desenvolver todas as suas atividades com boa saúde. Na cura prânica, busca-se ativar e deixar fluir essa energia atrás das mãos. Sem tocar a pessoa, o terapeuta utiliza técnicas de reconhecimento de energia vital. Busca então equilibrar o sistema energético, retirando os bloqueios e acúmulos de energia desgastada que obstruem a entrada de energia saudável, facilitando assim o processo natural de autorecuperação que todo organismo vivo possui.

Quiropraxia - Do grego quiros (mãos) e praxe (exercer, praticar), a quiropraxia, praticada na Antiguidade e mencionada por Hipócrates, surgiu como ciência em 1895. Bem antes, já era uma prática tradicional de diferentes culturas. A quiropraxia japonesa, por exemplo, foi desenvolvida na época dos samurais, que, após as lutas, eram cuidados por quiropraxistas com o objetivo de relaxar e se recuperar. Tem como princípio localizar desalinhamentos das vértebras na coluna, associados à pressão de estruturas do sistema nervoso e a lesões nos tecidos. Com as mãos, o terapeuta busca localizar e deobstruir esses bloqueios, permitindo que o sistema nervoso tenha comunicação com o organismo, buscando assim o seu estado de equilíbrio.

Reiki - Entre o século 19 e 20, viveu no Japão o padre cristão Mikao Usui, que acreditava na cura com as mãos através da força vital emanada por elas. Depois de vários estudos, encontrou em antigas escritas budistas, uma fórmula em sânscrito que indicava como ativar e captar a energia vital universal. No decorrer da sua vida, Mikao Usui ensinou esse conhecimento a vários japoneses e fundou o sistema dos Mestres do Reiki (rei=universal e ki=força da energia vital). Pela imposição de mãos, a energia vital natural é restaurada e equilibrada, usando o terapeuta com um canal de passagem dessa energia.

Com outros elementos
Cromoterapia - As cores são a fonte de energia desta terapia. Ela considera que as vibrações das cores podem intervir no metabolismo e humor das pessoas. Manuscritos de povos hindus e chineses mostram que na Antiguidade já se estudava o efeito das cores no bem-estar; gregos e egípcios já usavam cores e música para curar alguns males. No século 17, o físico inglês Isaac Newton analisou a propriedade da luz e constatou que cada cor emite uma freqüência própria, com energias de densidade diferentes. Desde então, estudos livres têm classificado as propriedades terapêuticas de cada freqüência de luz. Uma das formas de aplicação é a de lâmpadas coloridas, apontadas para os chakras – os sete centros de energia do corpo. Mas, mesmo no dia-a-dia, ao escolher uma cor que gostamos para nos vestir, já estamos aproveitando o bem-estar das cores.

Gemoterapia – A energia das gemas é a base desta terapia. De diferentes cores e composições minerais, as pedras preciosas ou semi-preciosas podem ser usadas em contato direto com o corpo, posicionadas nos chakras.

Dançaterapia - Estimular a comunicação e integração entre as pessoas, promovendo o equilíbrio interno de cada indivíduo, incentivando uma nova atitude do corpo. Este é o propósito da dançaterapia, criada pela bailarina e coreógrafa argentina María Fux em meados do século 20. Utiliza diversos elementos para estimular e integrar os movimentos, como sons e ritmos internos do corpo, palavras, imagens, cores, balões, tecidos etc. A dança também é matéria-prima de outras técnicas de expressão e autoconhecimento.

Musicoterapia - A melodia, som, ritmo e harmonia da música são utilizados para promover mudanças positivas físicas, mentais, sociais e cognitivas da pessoa. As sessões, que podem ser individuais ou em grupo, abrangem improvisação musical, audição, composição de músicas, discussão, imaginação, performance e aprendizado através da música. Não é necessário ter habilidade musical para se beneficiar do tratamento. Vale lembrar que a música em si pode ser considerada uma aliada de inspiração e bem-estar.

Iridologia - É uma técnica de diagnóstico. A íris dos olhos é considerada o espelho do corpo e, portanto, poderoso instrumento para diagnóstico de doenças. Por meio do seu exame, pode-se determinar não somente qual a origem de uma doença - genética ou adquirida - mas também onde se de atuar no organismo para que os mesmos sejam corrigidos. O exame é feito com o iridoscópio, que ao mesmo tempo amplia e ilumina a íris.

Com exercícios
Bioenergética - Técnica terapêutica desenvolvida por Alexander Lowen, na década de 50, e baseada no trabalho de Wilhelm Reich. Ajuda cada um a reencontrar-se com seu corpo, incluindo sexualidade, respiração, movimento, sentimento e auto-expressão. Trabalha os processos energéticos do corpo com exercícios de relaxamento, concentração e sensibilização, que integram o movimento com as emoções.

Lian Gong - Esta ginástica terapêutica une os conhecimentos da medicina ocidental à filosofia das artes corporais chinesas. Desenvolvido na década de 70, pelo médico ortopedista Zhuang Yuen Ming, contém 36 movimentos. Divididos em seis grupos de seis movimentos, são feitos de forma lenta e contínua, trabalham o físico e os canais de energia que percorrem o corpo humano.

Qi-gong - Integrante da Medicina Tradicional Chinesa, reúne exercícios físicos, respiratórios e meditativos. A própria pessoa pode aprender a trabalhar a energia (qi) do seu corpo, desenvolvendo a autocura. Busca-se aprender a acumular e fazer circular a energia em pontos onde está bloqueada, relaxando as tensões, estimulando os sistemas circulatório, respiratório e endócrino. Se necessário, pode ser ajudada por um mestre.

Nos ambientes
Radiestesia - É uma técnica para captar e analisar a natureza de radiações sutis nos ambientes, irradiados por formas, objetos, pessoas e até mesmo o sub-solo. Quando há condições energéticas negativas, as frequências são detectadas, mensuradas e, por meio de padrões geométricos ordenadores, neutralizadas.

Feng Shui - Do chinês, vento (feng) e água (shui), o sistema do feng-shui sugere que a casa é um organismo vivo, onde circulam energias positivas e negativas. Cuidando das cores, aromas, formas e posicionamentos dos objetos, móveis, paredes, janelas, portas e escadas, entre outros elementos, pode-se então promover a circulação benéfica destas energias. Nasceu com a sabedoria milenar chinesa, a partir dos estudos do chi (energia vital) da Terra. Acredita-se que o chi humano é relacionado com o chi do Céu e da Terra, que muito interferem no seu destino. Ainda na China, desenvolveram-se diferentes escolas. A Escola da Forma observa as formas no interior das construções como também o entorno para estabelecer a influência da vizinhança no local. A Escola das Oito Casas baseia-se na data de nascimento dos ocupantes e na orientação precisa do imóvel em relação aos pontos cardeais para definir os melhores cômodos da casa. A Escola do Tempo-Espaço, por sua vez, complementa essas considerações com a data de construção da casa, permitindo construir um mapa das energias do imóvel e prever as variações a cada ano. No Ocidente, entretanto, a escola mais difundida é de origem tibetana, a Escola do Chapéu Preto. Esta escola prega que os elementos, pontos cardeais, cores e formas não são suficientes. Também é necessário considerar a ligação psicológica entre o ambiente e a pessoa. Sua principal ferramenta é o Ba-Guá (ba = oito, guá = lados), um diagrama octogonal. Este é sobreposto à planta baixa do imóvel para delimitar os setores que correspondem aos aspectos mais importantes da vida, ajudando a mapear as energias da casa. Inclui nove áreas: família, prosperidade, fama, relacionamento, criatividade, amigos, carreira, conhecimento e saúde. Esta última fica no centro do diagrama, representando o equilíbrio das forças yin e yang, a harmonia. É o centro da casa, o coração.

Home| Clube dos Viajantes| Arquivos Sua próxima fuga| Arquivos Jornal do Fuja| Arquivos Guia da Folha| Arquivos O Barato do Fuja| Arquivos Fuja no Fim de Semana| Arquivos Fique em São Paulo| Arquivos Fique Zen| Arquivos Fique Gourmet| Arquivos Fuja por um Ano| Arquivo Fujinha Kids

© Copyright 2002 AF Comunicações, Adesign e Publifolha - Todos os direitos reservados